Perfil epidemiológico dos pacientes com paralisia cerebral atendidos na clínica de fisioterapia da Universidade São Judas Tadeu

Conteúdo do artigo principal

Natália Silva Carvalho dos Santos
Larissa da Conceição Moreira
Maiara Lima Almeida
Gislene Gomes da Silva
Patrícia Martins Franciulli

Resumo

Introdução: A paralisia cerebral (PC) é uma doença causada por lesões ao encéfalo em desenvolvimento, sendo a principal fonte de deficiência física em crianças, podendo acarretar déficits nas funções neuromusculares que afetam diretamente a qualidade de vida. Objetivo: Avaliar o perfil epidemiológico dos pacientes com PC atendidos na clínica de fisioterapia da Universidade São Judas Tadeu (CFUSJT). Método: Trata-se de uma pesquisa quantitativa do tipo exploratório-descritiva, utilizando-se de estudo retrospectivo. Os dados foram colhidos dos prontuários de pacientes atendidos na CFUSJT. Critérios de inclusão: Prontuários físicos de pacientes atendidos no setor de fisioterapia neurofuncional em pediatria da CFUSJT, no período de fevereiro de 2010 a dezembro de 2020. Critérios de exclusão: Prontuários físicos de pacientes sem confirmação diagnóstica de PC após os dois anos de idade, além dos com mudança de diagnóstico após investigação do atraso do desenvolvimento neuropsicomotor (ADNPM). Análise dos dados: Os dados foram tabulados e foi feita a análise estatística descritiva e percentual de cada item. Resultados: A prevalência da PC é maior no sexo masculino, acometendo em sua maioria crianças que nasceram prematuras e por via de parto normal. A idade média destes é de ±7,60 anos, tendo como o diagnóstico fisioterapêutico predominante a tetraplegia e a diplegia espástica. As intercorrências gestacionais mais prevalentes foram a eclampsia, parto de emergência e infecção urinária; e as intercorrências com as crianças foram convulsão e anóxia, hipóxia e problemas cardíacos. Conclusão: O perfil dos pacientes atendidos na CFUSJT refere-se sexo masculino, idade média de 7,6 anos, com deficiências motoras, cognitivas e visuais, moradores da região da zona leste da cidade de São Paulo e referenciados a instituição através do SUS.

Detalhes do artigo

Como Citar
Silva Carvalho dos Santos, N. ., da Conceição Moreira, L. ., Lima Almeida , M. ., Gomes da Silva, G., & Martins Franciulli, P. . (2021). Perfil epidemiológico dos pacientes com paralisia cerebral atendidos na clínica de fisioterapia da Universidade São Judas Tadeu. Revista Brasileira De Ciências Biomédicas, 2(1), e0412021, 1–7. https://doi.org/10.46675/rbcbm.v2i1.41
Seção
ARTIGOS EM FLUXO CONTÍNUO
Biografia do Autor

Gislene Gomes da Silva, Universidade São Judas Tadeu

Preceptora do estágio em Saúde Coletiva - Universidade São Judas Tadeu (USJT) - São Paulo – Brasil. Discente do Programa de mestrado da FMSCMSP.

Patrícia Martins Franciulli, Universidade São Judas Tadeu (USJT) - São Paulo – Brasil.

Docente do curso de fisioterapia da Universidade São Judas Tadeu (USJT) - São Paulo – Brasil.

Referências

Ministério da Saúde. Diretrizes de Atenção à Pessoa com Paralisia Cerebral. Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Brasília - DF, 2014; v. 1, p. 71.

Petersen R.; Procter C.; Donald KA.; Clinical Child Neurology, Springer International Publishing; Assessment and Management of the Child with Cerebral Palsy. Cham, Suiça. 2020; pp. 175-203. DOI: 10.1007/978-3-319-43153-6

Mlodawski J.; Mlodawska M.; Pazera G.; Michalski W.; DOmanski T.; Dolecka-Slusarczyk M.; et al. Cerebral palsy and obstetric-neonatological interventions. Ginekologia Polska Via Médica, [S. l.]. 2019; v. 90, n. 12, p. 722-727. DOI: 10.5603 / GP.2019.0124

Binha AMP.; Maciel SC.; Bezerra CCA. Perfil epidemiológico dos pacientes com paralisia cerebral atendidos na AACD - São Paulo. Acta Fisiatrica, [S. l.]. 2018; v. 25, n. 1. Artigo Original, p. 2-5. DOI: 10.11606/issn.2317-0190.v25i1a158818.

Pereira GN.; Costa CS.; Silva KCC. Os benefícios da atuação do fisioterapeuta em doenças perinatais. Scire Salutis, [S. l.]. 2018; v. 8, n. 2, p. 115-122. DOI: 10.6008/CBPC2236-9600.2018.002.0012.

Rasmussen HM.; Pedersen NW.; Overgaard S.; Hansen LK.; Dunkhase-Heinl U.; Petkov Y.; et al. Gait analysis for individually tailored interdisciplinary interventions in children with cerebral palsy: a randomized controlled trial. Developmental Medicine & Child Neurology. Dev Med Child Neurol. 2019; p. 1189-1195. DOI:10.1111/dmcn.14178

Amankwah N.; Oskoui M.; Garner R.; Bancej C.; G. Manuel D.; Wall R.; et al. Original quantitative research - Cerebral palsy in Canada, 2011–2031: results of a microsimulation modelling study of epidemiological and cost impacts. Health promotion and chronic disease prevention in Canada: research, policy and practice, [S. l.]. 2020; v. 40, p. 25-37. DOI: 10.24095/hpcdp.40.2.01

Melo MAG.; Quinto RC.; Souza RB. Avaliação do perfil epidemiológico de pacientes com paralisia cerebral atendidos na apae do município de Sobral-CE e análise cienciométrica sobre o assunto na literatura. Essentia-Revista de Cultura, Ciência e Tecnologia da UVA, [S. l.]. 2015; v. 16, n. 2, p. 1-6.

Silva DBR.; Pfeifer LI.; Funayama CAR. GMFCS – E & R Sistema de Classificação da Função Motora Grossa Ampliado e Revisto. Dev Med Child Neurol [S. l.]. 2010; p. 214-223.

Silva GG da, Romão J, Andrade EG da S. Paralisia Cerebral e o impacto do diagnóstico para a família. Rev Inic Cient Ext. 2019; 2(1):4-10.

Liang X.; Tan Z.; Cao J.; Wang J.; Liu Q.; Chen T.; Effectiveness of exercise interventions for children with cerebral palsy: A systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. J Rehabil Med, [S. l.]. 2021; v. 53, p. 18-22. DOI 10.2340/16501977-2772.

Silva MHN.; Ávilla AL.; Silva BPS.; Alves LSR.; SantoS, D.S.A.; Rafael, J.C. Perfil epidemiológico e social da população atendida em uma unidade básica de saúde em Cuiabá. Revista eletrônica gestão & saúde, [S. l.]. 2013; v. 4, n. 2, p. 257-266.

Faria LS.; Bertolozzi MR. A vigilância na Atenção Básica à Saúde: perspectivas para o alcance da Vigilância à Saúde. Rev Esc Enferm USP, São Paulo. 2010; v. 4, n. 3, 44(3):789-795. DOI: 10.1590/S0080-62342010000300034.

Nunes EM.; Frias RS. Perfil Sociodemográfico, Epidemiológico e do Atendimento Fisioterápico dos Pacientes de uma Clínica Escola de Fisioterapia que Funciona no Espaço de uma Unidade Básica de Saúde Particular de Foz do Iguaçu, PR. Plêiade, [S. l.]. 2017; v. 11 n. 22 p. 46-55.

Françolin L.; Brito MFP.; Gabriel CS.; Monteiro TM.; Bernardes A.; A qualidade dos registros de enfermagem em prontuários de pacientes hospitalizados. Rev. Enferm. UERJ, Rio de Janeiro. 2011; v. 20, n. 1, p. 79-83.

Batista FC.; Barbosa MGV.; Garnelo L. Fabiane Corrêa et al. Avaliação da qualidade de registro em prontuário de pacientes de fisioterapia em um hospital de Manaus – AM. Manual-y-Posturologia. 2013; 11(53): p. 333-340; v. 11, n. 53. p. 21

Carvalho KR. O prontuário como fonte de informação. Ministério da Saúde, Porto Alegre. 2016; p. 9-13.

Galvão MCB. Prontuário do paciente. Informação & Sociedade, [S. l.]. 2012; v. 22, n. 2, p. 173-174.

Toledo CAW.; Pereira CHCN.; Vinhaes MM; Lopes MIR.; Nogueira MARJ. Perfil epidemiológico de crianças diagnosticadas com paralisia cerebral atendidas no Centro de Reabilitação Lucy Montoro de São José dos Campos. Acta Fisiatrica, [S. l.]. 2015; v. 22, n. 3, p. 118-122. DOI: 10.5935/0104-7795.20150023

Vieira JLR.; Chagas JRLP. Perfil funcional e sóciodemográfico dos pacientes com paralisia cerebral em reabilitação num centro de referência em salvador. Revista Brasileira de neurologia e psiquiatria, [S. l.]. 2017; v. 21, n. 2, p. 100-108.

Santos RA.; Silva VR.; Santos JP.; Siqueira AN. Perfil epidemiológico e assistência à saúde de crianças e adolescentes com paralisia cerebral em um municipio do ES. Resid Pediat, [S. l.]. 2019; v. 9, n. 3, p. 252-260. DOI: 10.25060/residpediatr.

Oliveira PC.; Fantato WG.; Priedols AMA.; Spressão DRMS.; Audi M. Perfil das crianças com paralisia cerebral atendidas na clínica escola de fisioterapia da universidade de marília. Brazilian Journal of Development, [S. l.]. 2018; v. 7, n. 3, p. 21465-21472. DOI: 10.34117/bjdv7n3-046.

Fidan F.; Baysal O. Epidemiologic Characteristics of Patients with Cerebral Palsy. Open Journal of Therapy and Rehabilitation, [S. l.]. 2014; v. 2, n. 3, p. 126-132. DOI: 10.4236/ojtr.2014.23018.

Khandaker G.; Muhit M.; Karin T.; Smithers-Sheedy H.; Novak I.; Jones C.; et al. Epidemiology of cerebral palsy in Bangladesh: a population-based surveillance study. Developmental Medicine & Child Neurology, [S. l.]. 2019; v. 61, n. 5, p. 601-609. DOI: 10.1111/dmcn.14013.

Cavalcante VMV.; Martins MC.; Oriá MOB.; Ximenes LB.; Frota LB.; Carvalho ZMF. Perfil epidemiológico das crianças com paralisia cerebral em atendimento ambulatorial. Revista de Enfermagem UERJ, [s. l.]. 2017; p. 1-7, 20. DOI: 10.12957/reuerj.2017.8780.

Sadowska M.; Sarecka-Hujar B.; Kopyta I. Cerebral Palsy: Current Opinions on Definition, Epidemiology, Risk Factors, Classification and Treatment Options. Neuropsychiatric Disease and Treatment, [S. l.]. 2020; v. 16, p. 1505. DOI: 10.2147/NDT.S235165.